De Helsínquia chegaram ontem sinais de um possível contágio nuclear à Europa da crise na central Fukushima.

As autoridades finlandesas admitiram ter detectado partículas de iodo radioactivo no país, mas depressa afastaram quaisquer riscos para a saúde."A concentração de partículas deveria ser pelo menos um milhão de vezes maior para ser necessário tomar alguma medida", segundo a Autoridade de Radiação e Segurança nuclear da Finlândia. A ONU, através de uma rede em 89 países, está acompanhar o trajecto da radioactividade nipónica, já detectado nas regiões norte-americanas de Havai, Wake Island, Sacramento e Charlottesville, assim como na Islândia.


O alarme europeu chegou no dia em que das torneiras de Tóquio foram encontrados níveis elevados de radiação. A água canalizada na capital japonesa contém cerca de 210 becqueréis de iodo-131 por litro, mais do dobro dos valores considerados como apropriados para as crianças, e muito perto dos 300 becqueréis estabelecidos como limite para os adultos. Antes deste episódio, os vegetais e leite produzidos na região da central Fukushima - longe de estabilizada - tinham já sido contaminados por radiação e proibidos de ser vendidos.

A Organização Mundial de Saúde exclui, por enquanto, que o Japão tenha exportado estes alimentos. Hong Kong já proibiu qualquer importação alimentar do Japão. E Bruxelas garantiu ontem que os testes feitos a alimentos japoneses não tinham qualquer indício de radioactividade. Portugal importou em 2010 cerca de 1,5 milhões de euros em bens alimentares do Japão, segundo o INE. A Direcção-Geral de Alfândegas, com o apoio laboratorial do Instituto de Tecnologia Nuclear, têm a missão de fiscalizar os riscos destas importações, Mas até ao momento não responderam ao Diário Económico sobre quais os meios envolvidos nesta operação.

Depois de ontem a central de Fukushima ter sido, de novo, evacuada por outro incêndio, a crise nuclear causou uma fricção entre Berlim e Brasília. O governo alemão adiantou ontem que iria rever as garantias financeiras já aprovadas para a construção de uma central nuclear no Brasil. "A tecnologia nuclear é transitória", disse a chanceler Angela Merkel, antes de acrescentar "quanto mais cedo a saída, melhor". A posição de Merkel é um flique-flaque na política nuclear alemã, que antes do acidente de Fukushima tinha optado por alargar o tempo de vida das centrais

Fonte:- Diário Econômico PT
publicado por sattotal às 18:45 | link do post
De Helsínquia chegaram ontem sinais de um possível contágio nuclear à Europa da crise na central Fukushima.

As autoridades finlandesas admitiram ter detectado partículas de iodo radioactivo no país, mas depressa afastaram quaisquer riscos para a saúde."A concentração de partículas deveria ser pelo menos um milhão de vezes maior para ser necessário tomar alguma medida", segundo a Autoridade de Radiação e Segurança nuclear da Finlândia. A ONU, através de uma rede em 89 países, está acompanhar o trajecto da radioactividade nipónica, já detectado nas regiões norte-americanas de Havai, Wake Island, Sacramento e Charlottesville, assim como na Islândia.


O alarme europeu chegou no dia em que das torneiras de Tóquio foram encontrados níveis elevados de radiação. A água canalizada na capital japonesa contém cerca de 210 becqueréis de iodo-131 por litro, mais do dobro dos valores considerados como apropriados para as crianças, e muito perto dos 300 becqueréis estabelecidos como limite para os adultos. Antes deste episódio, os vegetais e leite produzidos na região da central Fukushima - longe de estabilizada - tinham já sido contaminados por radiação e proibidos de ser vendidos.

A Organização Mundial de Saúde exclui, por enquanto, que o Japão tenha exportado estes alimentos. Hong Kong já proibiu qualquer importação alimentar do Japão. E Bruxelas garantiu ontem que os testes feitos a alimentos japoneses não tinham qualquer indício de radioactividade. Portugal importou em 2010 cerca de 1,5 milhões de euros em bens alimentares do Japão, segundo o INE. A Direcção-Geral de Alfândegas, com o apoio laboratorial do Instituto de Tecnologia Nuclear, têm a missão de fiscalizar os riscos destas importações, Mas até ao momento não responderam ao Diário Económico sobre quais os meios envolvidos nesta operação.

Depois de ontem a central de Fukushima ter sido, de novo, evacuada por outro incêndio, a crise nuclear causou uma fricção entre Berlim e Brasília. O governo alemão adiantou ontem que iria rever as garantias financeiras já aprovadas para a construção de uma central nuclear no Brasil. "A tecnologia nuclear é transitória", disse a chanceler Angela Merkel, antes de acrescentar "quanto mais cedo a saída, melhor". A posição de Merkel é um flique-flaque na política nuclear alemã, que antes do acidente de Fukushima tinha optado por alargar o tempo de vida das centrais

Fonte:- Diário Econômico PT
publicado por sattotal às 18:45 | link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
15
22
comentários recentes
Olá robo
MUSA, DIVA, SEREIA LINDA E DELICIOSA QUE AMAREI ET...
ANA HICKMANN A SEREIA MAIS LINDA E DELICIOSA DO MU...
MUSA, DIVA, SEREIA LINDA E DELICIOSA QUE AMAREI ET...
Sereia linda e deliciosa Ana Hickmann, te amo
Deusa linda que amo demais Ana Hickmann
Te amarei enternamente Ana Hickmann
Diva, musa, sereia linda Ana Hickmann, te amo dema...
Está fixe :-)
Faltou indicar os créditos desse artigo. A fonte o...
subscrever feeds
SAPO Blogs