Cumprem-se hoje 17 anos depois da morte de Ayrton Senna da Silva, em Imola. Desde aí para cá, esta data foi sempre lembrada, e ao longo do tempo, muito se escreveu sobre o tricampeão do Mundo de Fórmula 1. Hoje vamos aqui recordar um texto de Eric Silbermann, um jornalista que foi muito próximo de Ayrton Senna, e que nos mostra por palavras que Ayrton Senna foi muito mais que um dos melhores pilotos de F1 de sempre:

"Ao longo dos tempos, após a sua morte, todos lemos um "mundo" de palavras ocas sobre Ayrton Senna, muitos sentimentos falsos e outras tantas afirmações da mais profunda amargura. No décimo aniversário da morte de Ayrton Senna, perguntei a Rubens Barrichello como iria lidar com tudo isto e o piloto brasileiro respondeu: "Ayrton morreu há 10 anos e chegou a altura de colocar um ponto final na tristeza. Agora chegou a altura de nos sentirmos felizes com o que Ayrton representou para todos nós e devíamos estar a celebrar a sua vida e não a sofrer com a sua morte." Um sentimento adequado que vou reproduzir nesta crónica.

Encontrei Ayrton pela primeira vez em 1988, quando ele começou a correr pela McLaren e eu fui contratado como "press officer" da Honda para a Fórmula 1. Nas pistas pouco tive a ver, profissionalmente, com ele, já que era a McLaren que organizava a maior parte do trabalho com os media, mas tinha de o questionar diariamente, logo que saía do carro e no final de cada sessão de treinos para escrever o meu "press release". Senna odiava este momento! Tudo o que queria era falar com os engenheiros e olhava para o meu trabalho como uma inutilidade que interrompia a sua concentração. De facto, quando a Honda abandonou a F1 no final de 1992, enviou-me um cartão de Boas Festas com a seguinte mensagem: "Finalmente estou livre do teu maldito gravador!". Mas Ayrton estava enganado porque optei por uma carreira de jornalista e continuei atrás dele e das suas declarações. E já que as prestações da McLaren em 93 caíram a pique, um dos anos em que Ayrton melhor guiou como, por exemplo, no chuvoso GP da Europa em Donington, ainda tentei convencer o "grande homem" que os sucessos prévios da McLaren de 88 a 92 deviam-se mais a mim do que a ele, mas não sei porquê Ayrton nunca concordou com este ponto de vista.

 
As pessoas na Honda tratavam-no como um Deus, mas ele era, tão só e apenas, um homem. Claro que era um piloto extraordinário, mas tal como dizemos em Inglaterra, ele "vestia as pernas das calças uma de cada vez", tal como qualquer outra pessoa. Por vezes parecia que tinha pena de mim, logo que se apercebeu que os meus patrões na Honda pouco entendiam sobre o trabalho de relações públicas: "Deves ser louco para teres este emprego," disse-me uma vez.

Mas, por vezes, era bastante difícil trabalhar com ele. Como, por exemplo, quando desistiu no GP de Phoenix e se escondeu dentro da "motorhome", recusando-se a sair para prestar declarações para o meu comunicado de imprensa. Fiquei sentado cá fora a ver a televisão que transmitia imagens do exército chinês a atacar os manifestantes na Praça Tianamen em Pequim.

Então percebi que a F1 não era a coisa mais importante do mundo e fui-me embora sem as declarações. Ayrton questionou-me sobre esta situação na corrida seguinte e, depois do sucedido nunca mais tivemos qualquer problema. Contudo, era bem capaz de passar 15 minutos a explicar-me porque é que estava muito ocupado para conceder uma entrevista de 5 minutos!

Era extraordinariamente meticuloso em tudo o que fazia. Confrontado com centenas de posters para autografar, Prost ou Berger tentariam fazê-lo o mais depressa possível, mas Ayrton teria o maior cuidado com cada um deles, assegurando-se que a tinta tinha secado antes de autografar o próximo. Uma situação típica da sua atitude perfeccionista.

Apesar de, por vezes, se irritar com eles, Ayrton gostava de trabalhar com a Honda já que o construtor o prezava tanto. Uma vez esteve na Disneyworld de Tóquio e, no final, acompanhei-o ao aeroporto de Narita, onde apanharia um avião para o GP da Austrália. À medida que nos encaminhávamos para o balcão e que o ajudava a fazer o "check in" disse-me: "Sinto-me como um rapazinho sem a companhia dos pais. Afinal o que é que eu sei?" Ayrton pretendia dizer-me que, cada vez que estava no Japão ou comparecia em acções da Honda, tudo, mas mesmo tudo, era feito para ele e em função dele e tinha esquecido o simples acto de pensar por si próprio.

O pior tempo que passei com Ayrton foi quando ele e Prost deixaram de se falar. Lembro-me de estar sentado nas instalações da equipa em Suzuka, onde os aposentos eram bem pequenos e os dois homens não conseguiam, sequer, olhar um para o outro. Uma atmosfera verdadeiramente irrespirável. Quando conseguiu ter um ascendente sobre a equipa descontraiu-se bastante e tornou-se ainda mais confiante e satisfeito da vida quando Gerhard Berger se juntou à equipa. Na realidade, um dos meus trabalhos "extra-oficiais" era ir aos aposentos da equipa durante a hora de almoço de domingo e quando estavam a preparar-se para a corrida, contar-lhes algumas das piadas e dos mexericos que circulavam no "paddock".

Tal como para a generalidade dos brasileiros a vida familiar era muito importante e Ayrton perguntava-me sempre como estavam os meus filhos. Lembro-me de me ter encontrado com ele num aeroporto perto de Oxford, antes do GP da Grã-Bretanha. Tinha como missão apresentá-lo a um jornalista de automóveis que tinha chegado num Honda NSX para Ayrton fazer um teste de estrada. Tinha o meu filho de sete anos comigo e o jornalista e o fotógrafo tiveram de esperar enquanto ele conversava com o meu filho, que estava demasiado envergonhado para falar. Ayrton perguntou se ele se portava bem e ofereceu-lhe um "pin" com o seu capacete e uma foto autografada. No dia 1 de Maio de 1994 o meu filho foi-se deitar segurando essa foto contra o peito.

Ayrton foi o melhor piloto de sempre? Quem quer saber e a quem é que isso interessa? Recordar-me-ei sempre dele como um ser humano complexo mas com um coração de ouro e isso é bem mais importante do que tudo o que conseguiu na sua carreira ao volante de um automóvel de competição.

Eric Silbermann

Fonte - AutoSport
publicado por sattotal às 10:13 | link do post

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
24
27
comentários recentes
Olá robo
MUSA, DIVA, SEREIA LINDA E DELICIOSA QUE AMAREI ET...
ANA HICKMANN A SEREIA MAIS LINDA E DELICIOSA DO MU...
MUSA, DIVA, SEREIA LINDA E DELICIOSA QUE AMAREI ET...
Sereia linda e deliciosa Ana Hickmann, te amo
Deusa linda que amo demais Ana Hickmann
Te amarei enternamente Ana Hickmann
Diva, musa, sereia linda Ana Hickmann, te amo dema...
Está fixe :-)
Faltou indicar os créditos desse artigo. A fonte o...
subscrever feeds
SAPO Blogs