Política de privacidade do Google vai mudar. Confira em que você deve ficar atento.

No dia 1º de março os usuários do Google estarão submetidos à apenas um grupo de regras para acessarem os serviços da companhia. Se, à primeira vista, isso não vai representar grandes mudanças no seu acesso ao Gmail, Mapas, Agenda e demais serviços, nos bastidores, você deve ficar atento aos seus dados. Nesse post vou explicar por que.

A decisão, segundo o Google, foi motivada pela simplificação legal, já que atualmente temos 60 diferentes regras e diretrizes (aquele quadradinho no qual sempre clicamos em “Concordo com as condições de utilização”, sabe?) para acessar diferentes serviços.

Unificando-as, a qualidade e fluidez entre um email e o docs, por exemplo, ficará ainda melhor. Só que… isso também vai orientar significativas alterações em como você submete sua privacidade e seus dados, aos donos do serviço.

Isso quer dizer que ficará mais fácil carregar os dados de busca de um serviço para outro, municionando o sistema de publicidade do Google a oferecer serviços relevantes a todo o momento para você.

Sua identidade digital, entendida aqui como todo o tipo de informação que você disponibilizar ao Google ficará disponível a empresa e, o que é pior, a outros usuários. Explicando: os mapas que você visitou, os documentos que produziu, os nomes que utiliza em cada um desses serviços, assim como avatares e demais itens farão parte de um único pacote de informações. Em termos gerais: sua privacidade nos serviços do Google nunca mais será a mesma.

Analistas têm criticado fortemente a decisão e brincado até mesmo com o slogan da companhia que, em seus primórdios, dizia não praticar o mal para ter sucesso. Em inglês: “Don´t be evil”. Segundo eles, estamos testemunhando o fim do “Don´t be evil”.

Fonte:- BLOG DA LU
publicado por sattotal às 13:38 | link do post

Política de privacidade do Google vai mudar. Confira em que você deve ficar atento.

No dia 1º de março os usuários do Google estarão submetidos à apenas um grupo de regras para acessarem os serviços da companhia. Se, à primeira vista, isso não vai representar grandes mudanças no seu acesso ao Gmail, Mapas, Agenda e demais serviços, nos bastidores, você deve ficar atento aos seus dados. Nesse post vou explicar por que.

A decisão, segundo o Google, foi motivada pela simplificação legal, já que atualmente temos 60 diferentes regras e diretrizes (aquele quadradinho no qual sempre clicamos em “Concordo com as condições de utilização”, sabe?) para acessar diferentes serviços.

Unificando-as, a qualidade e fluidez entre um email e o docs, por exemplo, ficará ainda melhor. Só que… isso também vai orientar significativas alterações em como você submete sua privacidade e seus dados, aos donos do serviço.

Isso quer dizer que ficará mais fácil carregar os dados de busca de um serviço para outro, municionando o sistema de publicidade do Google a oferecer serviços relevantes a todo o momento para você.

Sua identidade digital, entendida aqui como todo o tipo de informação que você disponibilizar ao Google ficará disponível a empresa e, o que é pior, a outros usuários. Explicando: os mapas que você visitou, os documentos que produziu, os nomes que utiliza em cada um desses serviços, assim como avatares e demais itens farão parte de um único pacote de informações. Em termos gerais: sua privacidade nos serviços do Google nunca mais será a mesma.

Analistas têm criticado fortemente a decisão e brincado até mesmo com o slogan da companhia que, em seus primórdios, dizia não praticar o mal para ter sucesso. Em inglês: “Don´t be evil”. Segundo eles, estamos testemunhando o fim do “Don´t be evil”.

Fonte:- BLOG DA LU
publicado por sattotal às 13:38 | link do post
Rosana Ferreira, a campeã do concurso Miss Bumbum 2011, fala sobre como acertar na peça íntima na hora da virada. Confira!

publicado por sattotal às 23:41 | link do post
Rosana Ferreira, a campeã do concurso Miss Bumbum 2011, fala sobre como acertar na peça íntima na hora da virada. Confira!

publicado por sattotal às 23:41 | link do post
Gigante das buscas oferece vários add-ons e gadgets para você se divertir na internet






A maioria deve conhecer as ferramentas que a página do Google oferece. Ela é bem simples – quase só o logo da empresa e o campo de busca. Mas aqui em cima, é possível escolher entre acessar notícias, imagens, vídeos, lista de tarefas e muito mais. As opções são várias e dá até para encontrar joguinhos escondidos em meio a tanto conteúdo. Quer ver?

Primeiro, basta entrar na página tradicional do buscador: o "Google.com". Se você não estiver logado em sua conta do Google, Faça agora, clicando aqui em cima. Digite seu usuário e senha, e pronto.

Agora, vamos te ensinar como procurar e adicionar os gadgets. Clique nesse botão aqui embaixo, o "iGoogle". Aí, clique em “Add Gadgets”, e a lista com todos que estão disponíveis se abrirá.

Aqui no canto direito, digite o que você estiver buscando. Nesse exemplo, nós procuramos por "Mario", o famoso jogo. E olha só: tem vários! São mais de 10 páginas com versões diferentes.



Para adicionar qualquer um deles, basta clicar no botão, embaixo da imagem do game. Pronto! Agora você terá o jogo na página inicial do Google, sempre que estiver logado em sua conta. Aliás, para voltar para ela diretamente da página de busca, clique aqui. Agora, é só selecionar o jogo adicionado, e se divertir.

Esse botãozinho aqui serve para ampliar ou diminuir o tamanho da janela, compartilhar e até deletar o gadget. Para mudar entre os games, basta navegar por essa aba - os jogos ficarão todos aqui. E aí, gostou da dica do Olhar Digital? Agora, solte a imaginação e procure pelos jogos mais famosos. Certeza que muitos deles estarão por lá.

Se o vídeo travar veja em HTML - Games do Google
publicado por sattotal às 15:12 | link do post
tags: ,
Gigante das buscas oferece vários add-ons e gadgets para você se divertir na internet






A maioria deve conhecer as ferramentas que a página do Google oferece. Ela é bem simples – quase só o logo da empresa e o campo de busca. Mas aqui em cima, é possível escolher entre acessar notícias, imagens, vídeos, lista de tarefas e muito mais. As opções são várias e dá até para encontrar joguinhos escondidos em meio a tanto conteúdo. Quer ver?

Primeiro, basta entrar na página tradicional do buscador: o "Google.com". Se você não estiver logado em sua conta do Google, Faça agora, clicando aqui em cima. Digite seu usuário e senha, e pronto.

Agora, vamos te ensinar como procurar e adicionar os gadgets. Clique nesse botão aqui embaixo, o "iGoogle". Aí, clique em “Add Gadgets”, e a lista com todos que estão disponíveis se abrirá.

Aqui no canto direito, digite o que você estiver buscando. Nesse exemplo, nós procuramos por "Mario", o famoso jogo. E olha só: tem vários! São mais de 10 páginas com versões diferentes.



Para adicionar qualquer um deles, basta clicar no botão, embaixo da imagem do game. Pronto! Agora você terá o jogo na página inicial do Google, sempre que estiver logado em sua conta. Aliás, para voltar para ela diretamente da página de busca, clique aqui. Agora, é só selecionar o jogo adicionado, e se divertir.

Esse botãozinho aqui serve para ampliar ou diminuir o tamanho da janela, compartilhar e até deletar o gadget. Para mudar entre os games, basta navegar por essa aba - os jogos ficarão todos aqui. E aí, gostou da dica do Olhar Digital? Agora, solte a imaginação e procure pelos jogos mais famosos. Certeza que muitos deles estarão por lá.

Se o vídeo travar veja em HTML - Games do Google
publicado por sattotal às 15:12 | link do post
tags: ,
Sabe aquele filme engraçado ou o vídeo de sua música preferida que está no YouTube? Você sabia que pode baixar esse conteúdo para ter em seu computador e assim assisti-lo sem a necessidade de estar conectado?

Você pode fazer download de vídeos do YouTube por meio de programas, sites, extensões de navegadores ou salvando o arquivo direto de uma pasta temporária. Separei dicas quentíssimas para você montar uma videoteca completa:

- Para usar os serviços 100% online, baixe os vídeos do YouTube com o flash FLV ou convertidos nos formatos MPEG, WMV ou AVI pelos sites: Keepvid.com, http://flvto.com e Savevid.com;

- Outra dica de download sem ajuda de programas é a alteração da URL do vídeo digitando a palavra “Kick” antes de YouTube. Por exemplo


para


- Pelo Firefox, você pode usar o Vídeo DownloadHelper para baixar vídeos do YouTube em diferentes formatos. Já no Chrome, a alternativa é o Easy Youtube Video Downloader;

- Se você preferir baixar os vídeos por meio de programas, os mais recomendados são: JDownloader, YouTube HD Transfer e o FlashGot;

- Para finalizar, o método mais fácil está disponível para os usuários do Linux. Carregue o vídeo do YouTube até o final e pegue o arquivo da pasta TMP. Pronto!
publicado por sattotal às 23:26 | link do post
Sabe aquele filme engraçado ou o vídeo de sua música preferida que está no YouTube? Você sabia que pode baixar esse conteúdo para ter em seu computador e assim assisti-lo sem a necessidade de estar conectado?

Você pode fazer download de vídeos do YouTube por meio de programas, sites, extensões de navegadores ou salvando o arquivo direto de uma pasta temporária. Separei dicas quentíssimas para você montar uma videoteca completa:

- Para usar os serviços 100% online, baixe os vídeos do YouTube com o flash FLV ou convertidos nos formatos MPEG, WMV ou AVI pelos sites: Keepvid.com, http://flvto.com e Savevid.com;

- Outra dica de download sem ajuda de programas é a alteração da URL do vídeo digitando a palavra “Kick” antes de YouTube. Por exemplo


para


- Pelo Firefox, você pode usar o Vídeo DownloadHelper para baixar vídeos do YouTube em diferentes formatos. Já no Chrome, a alternativa é o Easy Youtube Video Downloader;

- Se você preferir baixar os vídeos por meio de programas, os mais recomendados são: JDownloader, YouTube HD Transfer e o FlashGot;

- Para finalizar, o método mais fácil está disponível para os usuários do Linux. Carregue o vídeo do YouTube até o final e pegue o arquivo da pasta TMP. Pronto!
publicado por sattotal às 23:26 | link do post
SatHunter é um programa que calcula as coordenadas corretas para sua antena parabólica, com o satélite conectado.

O ajuste é feito com aplicativos dentro do programa, graças à interface simples.

 

Entre a série de ferramentas do programa, podemos destacar:

  • Calcula o azimute e ângulo de elevação;
  • Fornece uma lista de transponders de satélite para a configuração do receptor;
  • Calcula o ângulo de azimute solar;
  • Calcula o momento em que o satélite e os ângulos de azimute solar coincidem;
  • Calcula ângulo e a inclinação de antena offset ;
  • Aponte sua da antena usando o azimute, com a ajuda do Sol e um transferidor;
  • Aponte a antena parabólica usando o azimute, com a ajuda de uma bussóla;
  • Ajusta o ângulo de elevação, com a ajuda de uma fita métrica e um prumo;
  • Detecta coordenadas por IP ou através de uma lista de cidades;
  • Detecta tempo usando um servidor de tempo exato;
  • Transponders Scans com uma placa DVB SkyStar;
  • Vê o nível do sinal de qualidade e com sinalização sonora.

Funções do Sathunter

Satélites

Selecione na lista o satélite para o qual quer as informações de elevação e azimute para sua cidade, e logo abaixo você tem informações de posicionamento da antena paradeterminado satélite, o desenho de como deve utilizar a bússola para apontar sua antena, informações para se orientar pelo sol, o ângulo de rotação do LNB e elevação usando um prumo. ao clicar me view você será direcionado ao site Lyngsat para obter informações sobre canais, tps e mais.



Sol

Encontre a diferença entre o azimute solar e o azimute do satélite para um horário desejado. A sombra do sol irá apontar para este ângulo, no caso de orientação exata para o satélite.

 


Multifeed

É possível receber um sinal de vários satélites com uma antena. Para isso, posicione o LNBs acordo com o esquema calculado. No caso de usar lnbs caronas numa mesma antena parabólica, os dados são calculados com precisão milimétrica para facilitar a montagem.



DOWNLOAD


Traduzir para Português Brasil – É só colar na pasta onde foi instalado o programa, e substituir o original.
Descrição do arquivo:tradução software sathunter
Nome do arquivo: sat.lng
Tamanho do arquivo: 8.09 KB
publicado por sattotal às 11:03 | link do post
SatHunter é um programa que calcula as coordenadas corretas para sua antena parabólica, com o satélite conectado.

O ajuste é feito com aplicativos dentro do programa, graças à interface simples.

 

Entre a série de ferramentas do programa, podemos destacar:

  • Calcula o azimute e ângulo de elevação;
  • Fornece uma lista de transponders de satélite para a configuração do receptor;
  • Calcula o ângulo de azimute solar;
  • Calcula o momento em que o satélite e os ângulos de azimute solar coincidem;
  • Calcula ângulo e a inclinação de antena offset ;
  • Aponte sua da antena usando o azimute, com a ajuda do Sol e um transferidor;
  • Aponte a antena parabólica usando o azimute, com a ajuda de uma bussóla;
  • Ajusta o ângulo de elevação, com a ajuda de uma fita métrica e um prumo;
  • Detecta coordenadas por IP ou através de uma lista de cidades;
  • Detecta tempo usando um servidor de tempo exato;
  • Transponders Scans com uma placa DVB SkyStar;
  • Vê o nível do sinal de qualidade e com sinalização sonora.

Funções do Sathunter

Satélites

Selecione na lista o satélite para o qual quer as informações de elevação e azimute para sua cidade, e logo abaixo você tem informações de posicionamento da antena paradeterminado satélite, o desenho de como deve utilizar a bússola para apontar sua antena, informações para se orientar pelo sol, o ângulo de rotação do LNB e elevação usando um prumo. ao clicar me view você será direcionado ao site Lyngsat para obter informações sobre canais, tps e mais.



Sol

Encontre a diferença entre o azimute solar e o azimute do satélite para um horário desejado. A sombra do sol irá apontar para este ângulo, no caso de orientação exata para o satélite.

 


Multifeed

É possível receber um sinal de vários satélites com uma antena. Para isso, posicione o LNBs acordo com o esquema calculado. No caso de usar lnbs caronas numa mesma antena parabólica, os dados são calculados com precisão milimétrica para facilitar a montagem.



DOWNLOAD


Traduzir para Português Brasil – É só colar na pasta onde foi instalado o programa, e substituir o original.
Descrição do arquivo:tradução software sathunter
Nome do arquivo: sat.lng
Tamanho do arquivo: 8.09 KB
publicado por sattotal às 11:03 | link do post
Explicação detalhada de como fazer uma antena uda-yagi, vídeo desenvolvido no âmbito do projecto “Prémio monIT” pela equipa waVis — Ondas em Viseu.

Antena Yagi-Uda ou simplemente Yagi é uma antena direcional. A antena constitui-se de um elemento ativo (dipolo) e elementos parasitas. Um dos elementos parasitas é o refletor que é geralmente 10% mais longo. Os outros elementos irão funcionar como elementos diretores.

Antena Yagi-Uda é um tipo de radioantena desenvolvido por Hidetsugo Yagi, professor da Universidade de Vohoku, Japão, e por seu colega e assistente Shintaru Uda. Este tipo de antena foi descrito nos anos de 1926 e 1927 em artigo intitulado: Procedimentos do ERE (Engineering Radio Experience). Apesar da antena ter ostentado o nome YAGI, o próprio Dr. Yagi a chamou de antena Yagi-Uda em reconhecimento ao seu colega e assistente.

A antena Yagi apresenta alto ganho, embora a banda seja pequena ela é muito utilizada como antena para celulares, Wi-fi e antena de TV.

FONTE:- © 2011 http://www.te1.com.br  

publicado por sattotal às 10:08 | link do post
tags: ,
Explicação detalhada de como fazer uma antena uda-yagi, vídeo desenvolvido no âmbito do projecto “Prémio monIT” pela equipa waVis — Ondas em Viseu.

Antena Yagi-Uda ou simplemente Yagi é uma antena direcional. A antena constitui-se de um elemento ativo (dipolo) e elementos parasitas. Um dos elementos parasitas é o refletor que é geralmente 10% mais longo. Os outros elementos irão funcionar como elementos diretores.

Antena Yagi-Uda é um tipo de radioantena desenvolvido por Hidetsugo Yagi, professor da Universidade de Vohoku, Japão, e por seu colega e assistente Shintaru Uda. Este tipo de antena foi descrito nos anos de 1926 e 1927 em artigo intitulado: Procedimentos do ERE (Engineering Radio Experience). Apesar da antena ter ostentado o nome YAGI, o próprio Dr. Yagi a chamou de antena Yagi-Uda em reconhecimento ao seu colega e assistente.

A antena Yagi apresenta alto ganho, embora a banda seja pequena ela é muito utilizada como antena para celulares, Wi-fi e antena de TV.

FONTE:- © 2011 http://www.te1.com.br  

publicado por sattotal às 10:08 | link do post
tags: ,
«Password», «123456», «iloveyou», «abc123». E a sua, é alguma destas?

As «passwords» utilizadas na Internet servem para controlar o acesso e só o utilizador, em princípio, é que a sabe, e tem que a inserir para entrar, por exemplo, no seu e-mail. Veja aqui as 25 piores «passwords», as mais óbvias, que deixam os utilizadores mais vulneráveis a possíveis ataques informáticos

De acordo com o «The Telegraph», a senha mais utilizada é a palavra «password». Sim, é pedido uma «password» e o utilizador escolhe a sua senha como sendo... «password». Original? A segunda mais comum é o famoso «123456».

Estas são as senhas mais óbvias de se acertar, fazendo que qualquer «hacker» possa advinhar e aceder aos e-mails e contras do Facebook.

A informação foi divulgada pelo «SplashData», uma aplicação americana que gere senhas e dados.

Em Outubro, o Facebook admitiu que vários «hackers» estão a invadir centenas de milhares de contas, todos os dias.

Em cerca de um bilião de «logins» a cada 24 horas, 600 mil são «impostores», que tentam aceder a mensagens pessoais de outros utilizadores, bem como informações e fotografias.

Especialistas em segurança na Internet dizem que esta situação é de «grande preocupação» e aconselham as pessoas a terem mais cuidado na escolha das suas senhas.

Graham Cluely, consultor sénior de tecnologia, indica que se torna mais fácil invadir as contas dos utilizadores com este tipo de «password».

Cluley dá o exemplo do Facebook: «30% dos utilizadores usam as mesmas senhas em todas as suas contas da Internet, tornando-se mais simples para os «hackers» controlar a identidade de uma pessoa em toda a Web».

Morgan Slain, executivo da «SplashData», pediu a todos os utilizadores ou empresas, que estão a utilizar uma senha desta lista das «piores passwords», que a altere imediatamente.

«Os hackers podem facilmente invadir várias contas por várias vezes tentando apenas senhas comuns», disse Slain.

«Mesmo que as pessoas prefiram escolher uma senha segura, forte, muitas pessoas continuam a escolha uma fraca, fácil de adivinhar, colocando-se em risco de fraude e roubo de identidade», explicou.

Para escolher uma senha de Internet «forte», varie os diferentes tipos de caracteres das suas senhas, que incluia números, letras e caracteres especiais, quando possível.

As 25 piores «passwords» da Internet:
1.«Password»
2.«123456»
3.«12345678»
4.«QWERTY»
5.«abc123»
6.«macaco»
7.«1234567»
8.«letmein»
9.«trustno1»
10.«dragão»
11.«baseball»
12.«111111»
13.«iloveyou»
14.«master»
15.«sunshine»
16.«Ashley»
17.«Bailey»
18.«passw0rd»
19.«sombra»
20.«123123»
21.«654321»
22.«super-homem»
23.«qazwsx»
24.«michael»
25.«futebol»

Teste sua password neste site da Microsoft
PASSWORD CHECKER
publicado por sattotal às 22:02 | link do post
«Password», «123456», «iloveyou», «abc123». E a sua, é alguma destas?

As «passwords» utilizadas na Internet servem para controlar o acesso e só o utilizador, em princípio, é que a sabe, e tem que a inserir para entrar, por exemplo, no seu e-mail. Veja aqui as 25 piores «passwords», as mais óbvias, que deixam os utilizadores mais vulneráveis a possíveis ataques informáticos

De acordo com o «The Telegraph», a senha mais utilizada é a palavra «password». Sim, é pedido uma «password» e o utilizador escolhe a sua senha como sendo... «password». Original? A segunda mais comum é o famoso «123456».

Estas são as senhas mais óbvias de se acertar, fazendo que qualquer «hacker» possa advinhar e aceder aos e-mails e contras do Facebook.

A informação foi divulgada pelo «SplashData», uma aplicação americana que gere senhas e dados.

Em Outubro, o Facebook admitiu que vários «hackers» estão a invadir centenas de milhares de contas, todos os dias.

Em cerca de um bilião de «logins» a cada 24 horas, 600 mil são «impostores», que tentam aceder a mensagens pessoais de outros utilizadores, bem como informações e fotografias.

Especialistas em segurança na Internet dizem que esta situação é de «grande preocupação» e aconselham as pessoas a terem mais cuidado na escolha das suas senhas.

Graham Cluely, consultor sénior de tecnologia, indica que se torna mais fácil invadir as contas dos utilizadores com este tipo de «password».

Cluley dá o exemplo do Facebook: «30% dos utilizadores usam as mesmas senhas em todas as suas contas da Internet, tornando-se mais simples para os «hackers» controlar a identidade de uma pessoa em toda a Web».

Morgan Slain, executivo da «SplashData», pediu a todos os utilizadores ou empresas, que estão a utilizar uma senha desta lista das «piores passwords», que a altere imediatamente.

«Os hackers podem facilmente invadir várias contas por várias vezes tentando apenas senhas comuns», disse Slain.

«Mesmo que as pessoas prefiram escolher uma senha segura, forte, muitas pessoas continuam a escolha uma fraca, fácil de adivinhar, colocando-se em risco de fraude e roubo de identidade», explicou.

Para escolher uma senha de Internet «forte», varie os diferentes tipos de caracteres das suas senhas, que incluia números, letras e caracteres especiais, quando possível.

As 25 piores «passwords» da Internet:
1.«Password»
2.«123456»
3.«12345678»
4.«QWERTY»
5.«abc123»
6.«macaco»
7.«1234567»
8.«letmein»
9.«trustno1»
10.«dragão»
11.«baseball»
12.«111111»
13.«iloveyou»
14.«master»
15.«sunshine»
16.«Ashley»
17.«Bailey»
18.«passw0rd»
19.«sombra»
20.«123123»
21.«654321»
22.«super-homem»
23.«qazwsx»
24.«michael»
25.«futebol»

Teste sua password neste site da Microsoft
PASSWORD CHECKER
publicado por sattotal às 22:02 | link do post
Isso não é novidade, pois já tem um bom tempo que sinal digital de TV está sendo transmitido via satélite e hoje já temos uma boa quantidade de canais em vários satélites que podem ser sintonizados no Brasil. Porém preferi escrever sobre o assunto pois vi que o post do LNBF rendeu boas visitas, então preferi escrever o tv digital FTA. Essa vai ser a solução de tv digital para muitos brasileiros por um bom tempo é só reparar que algumas cidades não tem sequer sinal de tv VHF ou UHF decente. O mercado de tv digital via satélite só tende a se expandir.

Então porque não houve uma grande conversão pro sistema digital?

Simples, um certa emissora poderosa, simplesmente prefere manter seu sinal atrelado as tvs por assinatura, recentemente ela até adotou a chamada tv digital rural em algumas regiões do pais. Mais pra isso precisa pagar um preço alto por um receptor padrão de imagens baixa só pra ver sua “novela”… Resumo nós a amamos e ela nos odeia. Tudo bem que tem umas desculpas que o sinal não tá liberado em todos os locais pra não prejudicar as emissoras locais (entenda-se operadoras de tv por assinatura).
Tenho certeza que ela que tem todo esse poder sobre o que o povo assiste, se tivesse adotado esse meio de transmissão desde o início, pode ter certeza que parabólica analógica seria minoria hoje.

Não dá pra ver o canal famoso de novelas mesmo assim compensa?

A resposta é sim, pois tem muita coisa melhor a maioria dos canais brasileiros estão disponíveis FTA nos satélites, interessante também são os canais das afiliadas nos estados que também transmitem sinal via satélite, isso sim é TV digital rural.

O que preciso pra sintonizar os canais de tv digital via satélite?


Dá pra usar sua antena parabólica do sistema analógico, só o LNB se ainda for com servo motor tem que trocar para um LNBF, também precisará de um receptor para o sinal digital, um exemplo é o receptor Telesystem F11 que custa cerca de R$ 150,00. Não é preciso nem reposicionar a parabólica, pois o satélite que já usa para canais analógicos também tem canais digitais. Basta fazer uma busca cega e pronto.
O bom de fazer a conversão para o sinal digital só agora é já ter produtos muito bem testados e de melhor qualidade além de preços bem mais em conta, do que os dos inicio.
Para quem não abre mão dos canais analógicos ainda assim dá pra usar os dois receptores ou adquirir um anadigital que funciona nos dois sistemas.
Para canais internacionais em alguns satélites pode ser necessário um lnb Circular e também com um banda passante maior.

Quais satélites posso apontar a antena?

A maioria dos canais brasileiros estão no satélite C2 e B4, uma lista completa de canais por satélite está no site PortalBSD. Para sintonizar mais de um satélite você vai precisar de uma chave DiseqC (Digital Satellite Equipment Control) que deve ser adquirida de acordo com a quantidade de satélites que vai apontas as antenas, ex: 2X1, 4X1, 8X1, 16X1. O que vai decidir pra onde apontar suas antenas é qual canal quer assistir, é só espiar no portal BSD… achou o canal do brasil ou exterior veja qual satélite e aponte a antena.
Esquema Chave Diseqc 4X1 450x387 Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Exemplo de uso da chave Diseqc 4X1

A tecnologia da Tv Digital via Satelite está de acordo com a lei?

Sim trata se de sinal FTA (Free To Air) ou seja sinal livre que é diferente de pirataria.

Quais antenas utilizar para receber o sinal digital?

Antena parabólica para banda C telada ou de chapa e antena para banda KU (essas utilizadas pela Sky, Viaembratel e cia), na verdade o que diferencia uma da outra é o LNBF sendo um para banda Ku e ou para banda C. Dá pra usar a antena de banda C para Ku utilizando um LNBF específico. Não é possível canais banda C em antenas banda Ku de 60cM.

parabolica telada century Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Parabólica banda C telada
parabola zirok1.5 chapa 450x450 Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Parabólica fechada da marca Zirok de 1,5 Metros com LNB banda Ku
antena banda Ku Zirok 90cm Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Parabólica Banda Ku da Marca Zirok
antena parabolica rastreavel motor Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Antena parabólica rastreavel com motor para fazer o posicionamento


Tem um sistema chamado de caronas onde pode utilizar vários lnbs numa só antena parabólica. Por ex: C2 + B3 + B4. Inclusive tem kits a venda para facilitar a “gambiarra” e assim aproveitar ao máximo cada antena parabólica. Essencial um antena grande para se utilizar dessa facilidade.

antena parabolica caronas Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Exemplo de antena com caronas

Quais receptores utilizar para receber canais FTA?

Tudo vai depender do seu sistema, se já tem uma tv de alta definição compre logo um receptor pronto pra receber sinal Full-HD os receptores DVB-S2, caso contrário pode começar pelos mais baratos para receber canais SD (Standard Definition) receptores DVB-S. Prefira também os que tem entrada USB e que leia arquivos de Vídeos, música e fotos, além de poder gravar a programação (PVR – Gravador pessoal de vídeo programável) sendo assim mais um diferencial. Se quer canais analógicos tem também tem os anadigitais. Se você ama o canal da bolinha veja no site se o sinal é liberado na sua cidade e pague caro num receptor com GPS. Se quer ter canais digitais no PC tem algumas opções de placas PCI padrão DVB-S /S2
publicado por sattotal às 22:31 | link do post
Isso não é novidade, pois já tem um bom tempo que sinal digital de TV está sendo transmitido via satélite e hoje já temos uma boa quantidade de canais em vários satélites que podem ser sintonizados no Brasil. Porém preferi escrever sobre o assunto pois vi que o post do LNBF rendeu boas visitas, então preferi escrever o tv digital FTA. Essa vai ser a solução de tv digital para muitos brasileiros por um bom tempo é só reparar que algumas cidades não tem sequer sinal de tv VHF ou UHF decente. O mercado de tv digital via satélite só tende a se expandir.

Então porque não houve uma grande conversão pro sistema digital?

Simples, um certa emissora poderosa, simplesmente prefere manter seu sinal atrelado as tvs por assinatura, recentemente ela até adotou a chamada tv digital rural em algumas regiões do pais. Mais pra isso precisa pagar um preço alto por um receptor padrão de imagens baixa só pra ver sua “novela”… Resumo nós a amamos e ela nos odeia. Tudo bem que tem umas desculpas que o sinal não tá liberado em todos os locais pra não prejudicar as emissoras locais (entenda-se operadoras de tv por assinatura).
Tenho certeza que ela que tem todo esse poder sobre o que o povo assiste, se tivesse adotado esse meio de transmissão desde o início, pode ter certeza que parabólica analógica seria minoria hoje.

Não dá pra ver o canal famoso de novelas mesmo assim compensa?

A resposta é sim, pois tem muita coisa melhor a maioria dos canais brasileiros estão disponíveis FTA nos satélites, interessante também são os canais das afiliadas nos estados que também transmitem sinal via satélite, isso sim é TV digital rural.

O que preciso pra sintonizar os canais de tv digital via satélite?


Dá pra usar sua antena parabólica do sistema analógico, só o LNB se ainda for com servo motor tem que trocar para um LNBF, também precisará de um receptor para o sinal digital, um exemplo é o receptor Telesystem F11 que custa cerca de R$ 150,00. Não é preciso nem reposicionar a parabólica, pois o satélite que já usa para canais analógicos também tem canais digitais. Basta fazer uma busca cega e pronto.
O bom de fazer a conversão para o sinal digital só agora é já ter produtos muito bem testados e de melhor qualidade além de preços bem mais em conta, do que os dos inicio.
Para quem não abre mão dos canais analógicos ainda assim dá pra usar os dois receptores ou adquirir um anadigital que funciona nos dois sistemas.
Para canais internacionais em alguns satélites pode ser necessário um lnb Circular e também com um banda passante maior.

Quais satélites posso apontar a antena?

A maioria dos canais brasileiros estão no satélite C2 e B4, uma lista completa de canais por satélite está no site PortalBSD. Para sintonizar mais de um satélite você vai precisar de uma chave DiseqC (Digital Satellite Equipment Control) que deve ser adquirida de acordo com a quantidade de satélites que vai apontas as antenas, ex: 2X1, 4X1, 8X1, 16X1. O que vai decidir pra onde apontar suas antenas é qual canal quer assistir, é só espiar no portal BSD… achou o canal do brasil ou exterior veja qual satélite e aponte a antena.
Esquema Chave Diseqc 4X1 450x387 Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Exemplo de uso da chave Diseqc 4X1

A tecnologia da Tv Digital via Satelite está de acordo com a lei?

Sim trata se de sinal FTA (Free To Air) ou seja sinal livre que é diferente de pirataria.

Quais antenas utilizar para receber o sinal digital?

Antena parabólica para banda C telada ou de chapa e antena para banda KU (essas utilizadas pela Sky, Viaembratel e cia), na verdade o que diferencia uma da outra é o LNBF sendo um para banda Ku e ou para banda C. Dá pra usar a antena de banda C para Ku utilizando um LNBF específico. Não é possível canais banda C em antenas banda Ku de 60cM.

parabolica telada century Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Parabólica banda C telada
parabola zirok1.5 chapa 450x450 Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Parabólica fechada da marca Zirok de 1,5 Metros com LNB banda Ku
antena banda Ku Zirok 90cm Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Parabólica Banda Ku da Marca Zirok
antena parabolica rastreavel motor Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Antena parabólica rastreavel com motor para fazer o posicionamento


Tem um sistema chamado de caronas onde pode utilizar vários lnbs numa só antena parabólica. Por ex: C2 + B3 + B4. Inclusive tem kits a venda para facilitar a “gambiarra” e assim aproveitar ao máximo cada antena parabólica. Essencial um antena grande para se utilizar dessa facilidade.

antena parabolica caronas Tv digital via satélite FTA usando sua parabólica banda C normal ou antena banda KU   Como fazer?
Exemplo de antena com caronas

Quais receptores utilizar para receber canais FTA?

Tudo vai depender do seu sistema, se já tem uma tv de alta definição compre logo um receptor pronto pra receber sinal Full-HD os receptores DVB-S2, caso contrário pode começar pelos mais baratos para receber canais SD (Standard Definition) receptores DVB-S. Prefira também os que tem entrada USB e que leia arquivos de Vídeos, música e fotos, além de poder gravar a programação (PVR – Gravador pessoal de vídeo programável) sendo assim mais um diferencial. Se quer canais analógicos tem também tem os anadigitais. Se você ama o canal da bolinha veja no site se o sinal é liberado na sua cidade e pague caro num receptor com GPS. Se quer ter canais digitais no PC tem algumas opções de placas PCI padrão DVB-S /S2
publicado por sattotal às 22:31 | link do post
Cerca de 137 mil brasileiros formam hoje a maior comunidade estrangeira em Portugal, representando cerca de 1% da população total do país.
Existem algumas associações que buscam reunir os imigrantes, promover atividades, como shows de música brasileira, e dar orientações sobre os mais variados temas. Conheça as principais entidades:

Associação Brasileira de Portugal

Rua Sociedade União Seixalense
2840-525 Seixal
Telefone: 351 212 221 510
A Embaixada do Brasil em Lisboa também oferece suporte aos imigrantes:
Estrada das Laranjeiras, 144
Telefone: 351 21 724-8510
Fax: 351 21 726-7623
http://www.embaixadadobrasil.pt/
E-mail: geral@embaixadadobrasil.pt

Clima e natureza

O clima de Portugal é o mediterrâneo, com a predominância de verões quentes e secos, invernos amenos e quatro estações bem definidas, típicas dos climas temperados. Os meses mais chuvosos são novembro e dezembro; e o período das secas, quando as precipitações são mais escassas, vai de abril a setembro.
Durante os dias de inverno, a temperatura média é de 16°C e registram-se de cinco a seis horas de sol diárias. Na primavera, o calor vai aumentando gradualmente e alcança médias de 22°C, com aproximadamente dez horas de sol por dia. Já durante o verão, as temperaturas são em média de 25°C e há de 11 a 12 horas de sol diárias.
Ao contrário do que parece, o clima português é considerado temperado mediterrânico em quase todo o país continental e ilhas. A única exceção é o Grupo Ocidental do Arquipélago dos Açores, que é classificado como temperado marítimo, por não contar com uma estação seca.
O território português é dividido pelo Rio Tejo. Ao norte, a paisagem é montanhosa. Ao sul, o relevo é caracterizado por planícies, sendo as serras esporádicas. O território do país compreende, ainda, os arquipélagos autônomos dos Açores e da Madeira.
A costa lusitana é extensa: tem 943 km em Portugal continental, 667 km nos Açores e 250 km na Madeira e nas Ilhas Selvagens. O litoral é marcado por belas praias, com variedade entre falésias e areais.
O ponto mais alto do território português é a Ponta do Pico, com 2.300 m, situada na ilha açoriana de mesmo nome. No continente, o ponto mais elevado é a Torre da Serra da Estrela, com 1.900 m.
O país é atravessado por quatro grandes rios – Minho, Douro, Tejo e Guadiana –, todos com nascente na Espanha, único país com que Portugal faz fronteira.
Para saber mais:

Legislações Trabalhista, Tributária e Previdenciária

Para trabalhar em Portugal, o candidato necessita obter previamente um Visto de Residência ou de Estada Temporária que deverá ser solicitado no posto consular português da sua área de residência.
Mais informações sobre a concessão de permissões para trabalhar podem ser obtidas via internet, no site da Embaixada de Portugal:
Consulte também os links a seguir:
Baixe agora o Manual de Serviço Consular e Jurídico:

Legislação Tributária

É de grade importância para o brasileiro que reside em Portugal conhecer o acordo de tributação existente entre Brasil e Portugal. Saiba como funciona esse acordo:

Receita Federal do Brasil – Acordo para Evitar a Dupla Tributação Brasil-Portugal:

Decreto Legislativo nº 188/2001

Aprova o texto da Convenção entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa destinada a Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre o Rendimento, celebrada em Brasília, em 16 de maio de 2000.

Decreto nº 4012/2001

Promulga a Convenção entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa Destinada a Evitar a Dupla Tributação e a Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre o Rendimento, celebrada em Brasília, em 16 de maio de 2000.

Portaria MF nº 28/2002

Métodos de aplicação da Convenção destinada a Evitar a Dupla Tributação e a Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Imposto sobre o Rendimento assinada pela República Federativa do Brasil com a República Portuguesa.

Oportunidades de emprego

Para trabalhar em Portugal, o candidato necessita obter previamente um Visto de Residência ou de Estada Temporária que deverá ser solicitado no posto consular português da sua área de residência. Veja os procedimentos para conseguir esse tipo de visto em:
A ida para Portugal com intenção de trabalhar, sem o referido visto, contraria a lei portuguesa e é geradora da proibição de entrada no país, com todos os inconvenientes que isso implica. Aconselha-se, portanto, que este tipo de situações ilegais seja evitado a todo o custo, mesmo que pessoas conhecidas ou amigas, em Portugal ou no Brasil, sugiram ou aconselhem de outra forma.
Confira a documentação necessária para a emissão do visto de residência:
http://www.consuladovirtual.pt/web/brasilia/PedidoVisto

Para quem já está em Portugal

Brasileiros que estão em Portugal procurando um emprego podem registrar-se em qualquer um dos Centros de Emprego, fornecendo todos os dados necessários para encontrar uma colocação, tanto os pessoais como os ocupacionais. Cada interessado receberá um número de registro, de acordo com a Classificação Nacional de Profissões (CNP).
Qualquer pessoa pode registrar-se gratuitamente. Em Portugal, o Centro de Empregos está presente em diversos locais do país. Consulte o site do Instituto do Emprego e Formação Profissional para localizar o Centro de Emprego mais próximo a sua área de residência.
Esse site ainda oferece serviço para que o imigrante busque alternativas e encontre soluções de emprego.
Outras fontes possíveis de informação sobre empregos podem ser: jornais locais, regionais e nacionais (Diário de Notícias, Público, Correio da Manhã, Jornal de Notícias, Expresso,), Rádio Portuguesa (Rádio Comercial e Rádio Difusão Portuguesa EP-RDP - Internacional), associações profissionais e sindicais e câmaras oficiais de comércio e indústria.
Para eventuais esclarecimentos sobre imigração em Portugal, você também pode consultar o portal http://info.imigrante.pt/

Sobre vistos e passaporte

De acordo com a atual legislação portuguesa, os cidadãos brasileiros não necessitam de visto para entrar e permanecer em Portugal, por um período de 90 dias, nos casos de:
- Turismo
- Negócios
- Cobertura jornalística
- Missão cultural
Esse prazo poderá ser prorrogado, em Portugal, por mais 90 dias, mediante autorização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Para outras situações, como estudo e trabalho, é exigido visto aos cidadãos brasileiros.

Documentação

A Embaixada de Portugal no Brasil alerta para o fato de que a isenção de visto não exime o beneficiário de cumprir algumas formalidades no momento de entrar no país.
Assim, ao ingressar em Portugal, torna-se necessária a apresentação às autoridades fronteiriças portuguesas:
- do passaporte com validade superior em, pelo menos, três meses à duração da estada prevista;
- do bilhete de viagem aérea (ida e volta);
- de comprovante de alojamento;
- de documento que comprove o vínculo laboral ou atividade profissional no Brasil (devidamente reconhecido em Cartório e autenticado no Consulado de Portugal na área de residência);
- de comprovantes dos meios financeiros para suportar a estada, equivalentes a: 75 euros por cada entrada em território nacional e 40 euros por cada dia de permanência.
Em alguns casos, a comprovação do valor diário poderá ser dispensada. Para saber mais, visite o site da embaixada:

Tipos de vistos

Entre os diversos tipos de vistos que podem ser concedidos pelos postos consulares portugueses no Brasil, merecem destaque o de estudo e o de trabalho. Cada um deles exige a apresentação de documentação específica. Para saber mais, acesse:
publicado por sattotal às 19:25 | link do post
Cerca de 137 mil brasileiros formam hoje a maior comunidade estrangeira em Portugal, representando cerca de 1% da população total do país.
Existem algumas associações que buscam reunir os imigrantes, promover atividades, como shows de música brasileira, e dar orientações sobre os mais variados temas. Conheça as principais entidades:

Associação Brasileira de Portugal

Rua Sociedade União Seixalense
2840-525 Seixal
Telefone: 351 212 221 510
A Embaixada do Brasil em Lisboa também oferece suporte aos imigrantes:
Estrada das Laranjeiras, 144
Telefone: 351 21 724-8510
Fax: 351 21 726-7623
http://www.embaixadadobrasil.pt/
E-mail: geral@embaixadadobrasil.pt

Clima e natureza

O clima de Portugal é o mediterrâneo, com a predominância de verões quentes e secos, invernos amenos e quatro estações bem definidas, típicas dos climas temperados. Os meses mais chuvosos são novembro e dezembro; e o período das secas, quando as precipitações são mais escassas, vai de abril a setembro.
Durante os dias de inverno, a temperatura média é de 16°C e registram-se de cinco a seis horas de sol diárias. Na primavera, o calor vai aumentando gradualmente e alcança médias de 22°C, com aproximadamente dez horas de sol por dia. Já durante o verão, as temperaturas são em média de 25°C e há de 11 a 12 horas de sol diárias.
Ao contrário do que parece, o clima português é considerado temperado mediterrânico em quase todo o país continental e ilhas. A única exceção é o Grupo Ocidental do Arquipélago dos Açores, que é classificado como temperado marítimo, por não contar com uma estação seca.
O território português é dividido pelo Rio Tejo. Ao norte, a paisagem é montanhosa. Ao sul, o relevo é caracterizado por planícies, sendo as serras esporádicas. O território do país compreende, ainda, os arquipélagos autônomos dos Açores e da Madeira.
A costa lusitana é extensa: tem 943 km em Portugal continental, 667 km nos Açores e 250 km na Madeira e nas Ilhas Selvagens. O litoral é marcado por belas praias, com variedade entre falésias e areais.
O ponto mais alto do território português é a Ponta do Pico, com 2.300 m, situada na ilha açoriana de mesmo nome. No continente, o ponto mais elevado é a Torre da Serra da Estrela, com 1.900 m.
O país é atravessado por quatro grandes rios – Minho, Douro, Tejo e Guadiana –, todos com nascente na Espanha, único país com que Portugal faz fronteira.
Para saber mais:

Legislações Trabalhista, Tributária e Previdenciária

Para trabalhar em Portugal, o candidato necessita obter previamente um Visto de Residência ou de Estada Temporária que deverá ser solicitado no posto consular português da sua área de residência.
Mais informações sobre a concessão de permissões para trabalhar podem ser obtidas via internet, no site da Embaixada de Portugal:
Consulte também os links a seguir:
Baixe agora o Manual de Serviço Consular e Jurídico:

Legislação Tributária

É de grade importância para o brasileiro que reside em Portugal conhecer o acordo de tributação existente entre Brasil e Portugal. Saiba como funciona esse acordo:

Receita Federal do Brasil – Acordo para Evitar a Dupla Tributação Brasil-Portugal:

Decreto Legislativo nº 188/2001

Aprova o texto da Convenção entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa destinada a Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre o Rendimento, celebrada em Brasília, em 16 de maio de 2000.

Decreto nº 4012/2001

Promulga a Convenção entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa Destinada a Evitar a Dupla Tributação e a Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre o Rendimento, celebrada em Brasília, em 16 de maio de 2000.

Portaria MF nº 28/2002

Métodos de aplicação da Convenção destinada a Evitar a Dupla Tributação e a Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Imposto sobre o Rendimento assinada pela República Federativa do Brasil com a República Portuguesa.

Oportunidades de emprego

Para trabalhar em Portugal, o candidato necessita obter previamente um Visto de Residência ou de Estada Temporária que deverá ser solicitado no posto consular português da sua área de residência. Veja os procedimentos para conseguir esse tipo de visto em:
A ida para Portugal com intenção de trabalhar, sem o referido visto, contraria a lei portuguesa e é geradora da proibição de entrada no país, com todos os inconvenientes que isso implica. Aconselha-se, portanto, que este tipo de situações ilegais seja evitado a todo o custo, mesmo que pessoas conhecidas ou amigas, em Portugal ou no Brasil, sugiram ou aconselhem de outra forma.
Confira a documentação necessária para a emissão do visto de residência:
http://www.consuladovirtual.pt/web/brasilia/PedidoVisto

Para quem já está em Portugal

Brasileiros que estão em Portugal procurando um emprego podem registrar-se em qualquer um dos Centros de Emprego, fornecendo todos os dados necessários para encontrar uma colocação, tanto os pessoais como os ocupacionais. Cada interessado receberá um número de registro, de acordo com a Classificação Nacional de Profissões (CNP).
Qualquer pessoa pode registrar-se gratuitamente. Em Portugal, o Centro de Empregos está presente em diversos locais do país. Consulte o site do Instituto do Emprego e Formação Profissional para localizar o Centro de Emprego mais próximo a sua área de residência.
Esse site ainda oferece serviço para que o imigrante busque alternativas e encontre soluções de emprego.
Outras fontes possíveis de informação sobre empregos podem ser: jornais locais, regionais e nacionais (Diário de Notícias, Público, Correio da Manhã, Jornal de Notícias, Expresso,), Rádio Portuguesa (Rádio Comercial e Rádio Difusão Portuguesa EP-RDP - Internacional), associações profissionais e sindicais e câmaras oficiais de comércio e indústria.
Para eventuais esclarecimentos sobre imigração em Portugal, você também pode consultar o portal http://info.imigrante.pt/

Sobre vistos e passaporte

De acordo com a atual legislação portuguesa, os cidadãos brasileiros não necessitam de visto para entrar e permanecer em Portugal, por um período de 90 dias, nos casos de:
- Turismo
- Negócios
- Cobertura jornalística
- Missão cultural
Esse prazo poderá ser prorrogado, em Portugal, por mais 90 dias, mediante autorização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Para outras situações, como estudo e trabalho, é exigido visto aos cidadãos brasileiros.

Documentação

A Embaixada de Portugal no Brasil alerta para o fato de que a isenção de visto não exime o beneficiário de cumprir algumas formalidades no momento de entrar no país.
Assim, ao ingressar em Portugal, torna-se necessária a apresentação às autoridades fronteiriças portuguesas:
- do passaporte com validade superior em, pelo menos, três meses à duração da estada prevista;
- do bilhete de viagem aérea (ida e volta);
- de comprovante de alojamento;
- de documento que comprove o vínculo laboral ou atividade profissional no Brasil (devidamente reconhecido em Cartório e autenticado no Consulado de Portugal na área de residência);
- de comprovantes dos meios financeiros para suportar a estada, equivalentes a: 75 euros por cada entrada em território nacional e 40 euros por cada dia de permanência.
Em alguns casos, a comprovação do valor diário poderá ser dispensada. Para saber mais, visite o site da embaixada:

Tipos de vistos

Entre os diversos tipos de vistos que podem ser concedidos pelos postos consulares portugueses no Brasil, merecem destaque o de estudo e o de trabalho. Cada um deles exige a apresentação de documentação específica. Para saber mais, acesse:
publicado por sattotal às 19:25 | link do post
À la carte - Forma de empacotamento que possibilita a escolha de canais individualmente.
A/D - Conversão de analógico para digital.
ABTA - Associação Brasileira de Telecomunicações por Assinatura.
ADSL (Assimetrical Digital Subscriber Line) - Sistema de transmissão de dados em alta velocidade sobre os fios de cobre das redes telefônicas. Usado principalmente para acesso à Internet.
Analógico - Sinal contínuo que transporta informação na forma da variação de grandezas físicas como amplitude ou freqüência.
Anatel - Agência Nacional de Telecomunicações. Órgão regulador do setor no Brasil.
Antena parabólica - Antena utilizada quase sempre para comunicação com satélites. O formato parabólico garante teoricamente que todos os sinais paralelos que atingem a antena se concentrem sobre um único ponto, o foco.
Arquitetura de rede - Disposição sistemática dos elementos em uma rede para o processamento e a transmissão de sinais.
Ativação - Início das operações de um sistema.
Ativos - Elementos da rede de cabo que recebem alimentação elétrica.
Autorização - Instrumento legal outorgado pelo poder público que garante a uma empresa o direito de prestação de um serviço de telecomunicações no regime privado.
Backbone - Literalmente, espinha dorsal. Cabo troncal de uma rede. Em CATV é o cabo central instalado em um prédio.
Banda - Termo que designa uma determinada faixa de freqüências do espectro eletromagnético.
Banda C - Faixa de freqüências de microondas situada entre 3,7 GHz e 4,2 GHz. É utilizada na comunicação por satélites e também em links terrenos. O termo é usado também para designar os primeiros serviços de TV via satélite, que usavam essa faixa de freqüências.
Banda estreita - Faixa de freqüências de menor extensão usada principalmente para telefonia e dados.
Banda Ka - Faixa de freqüências entre 18 e 31 GHz. Usada para o serviço de LMDS e em futuros serviços de comunicação bidirecional via satélite.
Banda Ku - Faixa de freqüências de microondas, de 10,95 GHz a 12,7 GHz, utilizada entre outras coisas para aplicações espaciais e nos serviços de DTH.
Banda L - Faixa de freqüência na qual se encaixam os canais recebidos de satélites após sua passagem pelo LNB. Varia de acordo com a freqüência do sinal original.
Banda larga - Faixa ampla de freqüências, usada para vídeo e serviços integrados em geral, com som, imagens e dados.
Bandwidth - Largura de banda, caracterizada pelos limites máximo e mínimo ou pela diferença entre eles; um grupo contínuo de freqüências.
Bidirecional - Rede que permite o tráfego de sinais nos dois sentidos simultaneamente.
Bit rate - Velocidade de uma transmissão digital, expressa em bps (bits por segundo) e múltiplos.
bps - Bits por segundo. Medida de velocidade de transferência de dados.
Broadband - ver Banda Larga.
Broadcast - Radiodifusão em canais abertos, de livre acesso ao público. Também chamado de TV aberta, em oposição à TV paga.
CAB (Cable Television Advertising Bureau) - Organização norte-americana que oferece serviços de promoção e publicidade para a indústria da TV a cabo.
Cabeçal - ver Headend.
Cable converter - ver Conversor.
Cable modem - Modem que utiliza a rede de TV a cabo ao invés da linha telefônica para transferir informações em alta velocidade.
Cabo coaxial - Cabo condutor para conduzir sinais de forma isolada do ambiente (blindado).
Cabo óptico - Cabo que contém uma ou mais fibras ópticas em seu interior.
Canais básicos - ver Pacote Básico.
Canais premium - ver Pacote Premium.
Canal - Banda de freqüências que carrega alguma forma de informação.
Canal aberto - Canal de livre acesso (recepção gratuita).
CATV (Community Antenna Television) - Termo hoje usado como sinônimo de TV a cabo. Designava antigamente as antenas comunitárias usadas nos EUA e que deram origem aos sistemas de cabo.
Churn rate - Percentual de assinantes que se desligam ou são desligados da rede por desistência do serviço ou falta de pagamento.
Codificação - Descaracterização do sinal para torná-lo ininteligível, a menos que seja restaurado com o decodificador adequado.
Codificador - Dispositivo que faz a codificação.
Compressão digital - Técnica de compressão de sinais digitais de vídeo e áudio em que se agrupam bits iguais ou redundantes, reduzindo-se assim a largura de banda necessária para a transmissão da informação. No espaço ocupado por um canal não comprimido pode-se colocar divers
Comprimento de onda - Distância percorrida em um ciclo pela frente de onda. Calculada pela divisão da velocidade de propagação da onda por sua freqüência.
Concessão - Instrumento legal outorgado pelo poder público que garante a uma empresa o direito de prestação de um serviço de telecomunicações no regime público.
Conversor - Equipamento instalado na casa do assinante que converte os canais recebidos pelo cabo em canais sintonizáveis pela TV.
Conversor endereçável - Conversor que pode ser habilitado e desabilitado a distância pela operadora. Possibilita, por exemplo, serviços como pay-per-view.
CTAM (Marketing Society for the Cable and Telecommunications Industry) - Associação profissional norte-americana que trata das questões mercadológicas da indústria da TV a cabo.
D/A - Conversão de digital para analógico.
DBS (Direct Broadcast Satellite) - Satélite de alta potência destinado à transmissão de sinais diretamente para os assinantes. Usado também como sinônimo de DTH.
Decoder - ver Decodificador.
Decodificação - Trazer os sinais anteriormente codificados a sua forma original.
Decodificador - Aparelho que permite a visualização de sinais anteriormente codificados.
Densidade - Número total de domicílios com TV por quilômetro de rede construída ou projetada. É o mesmo que homes passed/km.
Digital - Método que representa informações de qualquer natureza por um código matemático binário. Designa também os sistemas que se utilizam deste método (ex: sinal digital, TV digital).
Digitalização - Transformação de uma informação analógica, seja imagem, som, vídeo ou qualquer outra em uma seqüência de códigos binários.
Downlink - Descida do sinal de um satélite.
Download - Transferência de um arquivo de um computador remoto para um computador local.
DSS (Digital Satellite Service) - O mesmo que DTH.
DTH (Direct to Home) - Serviço de distribuição de sinais do satélite diretamente para a casa do assinante.
DVB (Digital Video Broadcasting) - Consórcio europeu formado para definir padrões para a TV digital.
Gato - Gíria para ligação ilegal de um sistema de TV paga a uma residência.
GHz - Medida de freqüência. Corresponde a 1.000 MHz ou 1.000.000 kHz, ou seja, um bilhão de ciclos por segundo.
Grade de programação - Esquema com a seqüência de programação de um determinado canal durante um determinado período de tempo.
Habilitação - Ativação remota do sistema do assinante para os serviços contratados. Depende de sistemas endereçáveis.
HDTV (High-Definition Television) - TV de alta definição. Padrão de televisão digital que gera imagens muito mais nítidas e definidas. Na TV digital o formato da tela muda da atual proporção de 3:4 para a de 16:9.
Headend - Central de recepção, processamento, geração e retransmissão do sinal para os assinantes. Termo usado em cabo e MMDS.
HFC (Hybrid Fiber/Coaxial Cable) - Rede híbrida de fibra ótica e cabo coaxial. O padrão de rede usado nos sistemas de TV a cabo, no qual o sinal segue em fibras ópticas do headend até os hubs e daí seguem por cabos coaxiais até a casa dos assinantes.
Home shopping - Serviço interativo que permite ao usuário fazer compras sem sair de casa, via cabo, telefone ou Internet.
Homes passed - Número total de domicílios cobertos por uma rede.
Hub - É um headend secundário. O hub recebe o sinal do cabeçal e o redistribui pelas linhas troncais e linhas alimentadoras.
Hz - Hertz. Unidade de medida de freqüência. Corresponde a um ciclo por segundo.
Interatividade - Transferência de informações pelo mesmo meio, bidirecionalmente e em tempo real. Possibilidade de o usuário interferir na informação transmitida.
Interconexão - Ligação física entre sistemas distintos para permitir o acesso dos assinantes de um sistema ao outro.
Interface - Forma pela qual dois sistemas interagem ou um sistema interage com o usuário. Dispositivo que permite esta interação.
IP (Internet Protocol) - O protocolo de comunicação de dados no qual se baseia a Internet. Nele, os dados, sejam de voz, vídeo, imagens ou texto, trafegam em pacotes, que são "montados" na ponta receptora para restaurar a informação original.
IRD (Integrated Receiver/Decoder) - Aparelho receptor e decodificador de sinais de satélite.
kbps - Kilobits por segundo. Medida de velocidade de transferência de dados. Equivale a mil bps.
LGT - Lei Geral de Telecomunicações. Lei de 1997 que criou a Anatel, possibilitou a privatização das teles e regulamentou os serviços de telecomunicações no Brasil.
Line-up - Grade de canais distribuidos por uma operadora.
May-carry - Possibilidade das operadoras de DTH de transportarem os canais abertos.
Mbps - Megabits por segundo. Medida de velocidade de transferência de dados. Equivale a um milhão de bps.
Microondas - Ondas que estão em faixas de freqüências muito altas, acima de 1 GHz.
Minicom - Ministério das Comunicações.
MMDS (Multipoint Multichannel Distribution System) - Sistema de distribuição de canais de TV por microondas terrestres. Uma das formas de TV por assinatura.
Modem - Abreviação de modulador/demodulador. Dispositivo que converte informações enviadas pelo computador em sinais elétricos, que são enviados pela linha telefônica. Estes são recebidos por um dispositivo equivalente que irá convertê-los de volta em dados.
MSO (Multiple System Operator) - Empresa que possui ou opera mais de um sistema de TV a cabo. Também chamada de multioperadora.
Multiplexador - Aparelho que combina diversos sinais de entrada em um único sinal de saída.
Must-carry - Dispositivo legal que obriga as operadoras de TV por assinatura norte-americanas a transportarem os canais abertos (broadcast).
Narrowband - ver Banda Estreita.
NCTA (National Cable Television Association) - Associação norte-americana de operadoras, programadoras, distribuidores e fabricantes de equipamentos para TV a cabo.
Off-set - Tipo de antena para recepção de sinais de satélite com foco deslocado do centro do refletor. As antenas de DTH de banda Ku são deste tipo.
Operadora - Empresa que distribui sinais de televisão por assinatura, seja por cabo, MMDS ou satélite.
Outorga - Ato de concessão ou autorização de um serviço.
Overbuilding - Construção de uma rede sobre outra já existente.
Overbuilds - Sistemas de TV a cabo ou outro serviço de telecomunicações que competem por uma mesma área geográfica.
Pacote básico - Grupo de canais oferecidos pela operadora de TV por assinatura mediante pagamento de taxa básica. Pode conter os canais abertos e alguns exclusivos aos assinantes.
Pacote premium - Grupos de canais extras que o assinante pode assinar mediante pagamento de taxas adicionais.
Pay-per-view - Serviço de TV por assinatura em que o assinante paga apenas ao que quiser assistir (filmes, shows, cursos), quando desejar, dentro da oferta existente. Nesse caso o sinal precisa ser endereçado.
Penetração - Porcentagem de assinantes de TV a cabo sobre o número de aparelhos de TV existentes em uma determinada área.
Pirataria - Instalação de um sistema de TV a cabo ou de pontos extras sem o conhecimento da operadora.
Ponto - Local da casa do assinante em que é possível receber os canais por assinatura.
Ponto extra - Pontos de recepção do assinante além do ponto inicial no qual é feita a primeira instalação de um sistema de TV paga.
Ponto principal - Local da conexão do primeiro conversor/decodificador do assinante.
Programadora - Empresa que oferece conteúdo (canais) para a TV por assinatura.
Receptor de satélites - Aparelho que recebe os sinais do LNB e os converte para um dos canais de TV.
Receptor óptico - Equipamento opto-eletrônico que recebe o sinal óptico e o converte para um sinal elétrico equivalente.
RF - Radiofreqüência.
Ruído - Distúrbios não desejados introduzidos em um sinal que tendem a mascarar a informação contida.
SAP (Second Audio Program) - Programação independente de áudio que vem em uma outra subportadora, mas que também está sincronizada com a imagem. É acessada por uma tecla no televisor. Normalmente traz o áudio original de uma programação.
Scrambler - ver Codificador.
Scrambling - ver Codificação.
SCTE (Society of Cable Television) - Organização técnica que reúne os engenheiros da indústria de TV a cabo nos EUA.
SETA - Sindicato das Empresas de TV por Assinatura.
Share - Porcentagem de assinantes sintonizados em um determinado programa ou categoria de programação.
Trap - Tipo de filtro instalado na casa do assinante que bloqueia determinados canais.
TVRO (TV Receive-Only) - Recepção direta de sinais abertos do satélite pelo público. Hoje é sinônimo de antena parabólica.
Two-way - ver Bidirecional.
Uplink - Subida do sinal para o satélite.
Uplink center - Centro de transmissão de sinais para os satélites de DTH.
Upload - Transferência de um arquivo de um computador local para um computador remoto.
Upstream - Em um sistema two-way, é o sinal que vai da casa do assinante ao headend.
Video-on-demand - Serviço interativo em que o assinante escolhe o filme que deseja assistir e a que hora, permite ao assinante pausar, voltar ou correr o filme como quiser.
VOD - ver Video-on-Demand.
Wireless cable - O mesmo que MMDS.
publicado por sattotal às 19:57 | link do post
tags:
À la carte - Forma de empacotamento que possibilita a escolha de canais individualmente.
A/D - Conversão de analógico para digital.
ABTA - Associação Brasileira de Telecomunicações por Assinatura.
ADSL (Assimetrical Digital Subscriber Line) - Sistema de transmissão de dados em alta velocidade sobre os fios de cobre das redes telefônicas. Usado principalmente para acesso à Internet.
Analógico - Sinal contínuo que transporta informação na forma da variação de grandezas físicas como amplitude ou freqüência.
Anatel - Agência Nacional de Telecomunicações. Órgão regulador do setor no Brasil.
Antena parabólica - Antena utilizada quase sempre para comunicação com satélites. O formato parabólico garante teoricamente que todos os sinais paralelos que atingem a antena se concentrem sobre um único ponto, o foco.
Arquitetura de rede - Disposição sistemática dos elementos em uma rede para o processamento e a transmissão de sinais.
Ativação - Início das operações de um sistema.
Ativos - Elementos da rede de cabo que recebem alimentação elétrica.
Autorização - Instrumento legal outorgado pelo poder público que garante a uma empresa o direito de prestação de um serviço de telecomunicações no regime privado.
Backbone - Literalmente, espinha dorsal. Cabo troncal de uma rede. Em CATV é o cabo central instalado em um prédio.
Banda - Termo que designa uma determinada faixa de freqüências do espectro eletromagnético.
Banda C - Faixa de freqüências de microondas situada entre 3,7 GHz e 4,2 GHz. É utilizada na comunicação por satélites e também em links terrenos. O termo é usado também para designar os primeiros serviços de TV via satélite, que usavam essa faixa de freqüências.
Banda estreita - Faixa de freqüências de menor extensão usada principalmente para telefonia e dados.
Banda Ka - Faixa de freqüências entre 18 e 31 GHz. Usada para o serviço de LMDS e em futuros serviços de comunicação bidirecional via satélite.
Banda Ku - Faixa de freqüências de microondas, de 10,95 GHz a 12,7 GHz, utilizada entre outras coisas para aplicações espaciais e nos serviços de DTH.
Banda L - Faixa de freqüência na qual se encaixam os canais recebidos de satélites após sua passagem pelo LNB. Varia de acordo com a freqüência do sinal original.
Banda larga - Faixa ampla de freqüências, usada para vídeo e serviços integrados em geral, com som, imagens e dados.
Bandwidth - Largura de banda, caracterizada pelos limites máximo e mínimo ou pela diferença entre eles; um grupo contínuo de freqüências.
Bidirecional - Rede que permite o tráfego de sinais nos dois sentidos simultaneamente.
Bit rate - Velocidade de uma transmissão digital, expressa em bps (bits por segundo) e múltiplos.
bps - Bits por segundo. Medida de velocidade de transferência de dados.
Broadband - ver Banda Larga.
Broadcast - Radiodifusão em canais abertos, de livre acesso ao público. Também chamado de TV aberta, em oposição à TV paga.
CAB (Cable Television Advertising Bureau) - Organização norte-americana que oferece serviços de promoção e publicidade para a indústria da TV a cabo.
Cabeçal - ver Headend.
Cable converter - ver Conversor.
Cable modem - Modem que utiliza a rede de TV a cabo ao invés da linha telefônica para transferir informações em alta velocidade.
Cabo coaxial - Cabo condutor para conduzir sinais de forma isolada do ambiente (blindado).
Cabo óptico - Cabo que contém uma ou mais fibras ópticas em seu interior.
Canais básicos - ver Pacote Básico.
Canais premium - ver Pacote Premium.
Canal - Banda de freqüências que carrega alguma forma de informação.
Canal aberto - Canal de livre acesso (recepção gratuita).
CATV (Community Antenna Television) - Termo hoje usado como sinônimo de TV a cabo. Designava antigamente as antenas comunitárias usadas nos EUA e que deram origem aos sistemas de cabo.
Churn rate - Percentual de assinantes que se desligam ou são desligados da rede por desistência do serviço ou falta de pagamento.
Codificação - Descaracterização do sinal para torná-lo ininteligível, a menos que seja restaurado com o decodificador adequado.
Codificador - Dispositivo que faz a codificação.
Compressão digital - Técnica de compressão de sinais digitais de vídeo e áudio em que se agrupam bits iguais ou redundantes, reduzindo-se assim a largura de banda necessária para a transmissão da informação. No espaço ocupado por um canal não comprimido pode-se colocar divers
Comprimento de onda - Distância percorrida em um ciclo pela frente de onda. Calculada pela divisão da velocidade de propagação da onda por sua freqüência.
Concessão - Instrumento legal outorgado pelo poder público que garante a uma empresa o direito de prestação de um serviço de telecomunicações no regime público.
Conversor - Equipamento instalado na casa do assinante que converte os canais recebidos pelo cabo em canais sintonizáveis pela TV.
Conversor endereçável - Conversor que pode ser habilitado e desabilitado a distância pela operadora. Possibilita, por exemplo, serviços como pay-per-view.
CTAM (Marketing Society for the Cable and Telecommunications Industry) - Associação profissional norte-americana que trata das questões mercadológicas da indústria da TV a cabo.
D/A - Conversão de digital para analógico.
DBS (Direct Broadcast Satellite) - Satélite de alta potência destinado à transmissão de sinais diretamente para os assinantes. Usado também como sinônimo de DTH.
Decoder - ver Decodificador.
Decodificação - Trazer os sinais anteriormente codificados a sua forma original.
Decodificador - Aparelho que permite a visualização de sinais anteriormente codificados.
Densidade - Número total de domicílios com TV por quilômetro de rede construída ou projetada. É o mesmo que homes passed/km.
Digital - Método que representa informações de qualquer natureza por um código matemático binário. Designa também os sistemas que se utilizam deste método (ex: sinal digital, TV digital).
Digitalização - Transformação de uma informação analógica, seja imagem, som, vídeo ou qualquer outra em uma seqüência de códigos binários.
Downlink - Descida do sinal de um satélite.
Download - Transferência de um arquivo de um computador remoto para um computador local.
DSS (Digital Satellite Service) - O mesmo que DTH.
DTH (Direct to Home) - Serviço de distribuição de sinais do satélite diretamente para a casa do assinante.
DVB (Digital Video Broadcasting) - Consórcio europeu formado para definir padrões para a TV digital.
Gato - Gíria para ligação ilegal de um sistema de TV paga a uma residência.
GHz - Medida de freqüência. Corresponde a 1.000 MHz ou 1.000.000 kHz, ou seja, um bilhão de ciclos por segundo.
Grade de programação - Esquema com a seqüência de programação de um determinado canal durante um determinado período de tempo.
Habilitação - Ativação remota do sistema do assinante para os serviços contratados. Depende de sistemas endereçáveis.
HDTV (High-Definition Television) - TV de alta definição. Padrão de televisão digital que gera imagens muito mais nítidas e definidas. Na TV digital o formato da tela muda da atual proporção de 3:4 para a de 16:9.
Headend - Central de recepção, processamento, geração e retransmissão do sinal para os assinantes. Termo usado em cabo e MMDS.
HFC (Hybrid Fiber/Coaxial Cable) - Rede híbrida de fibra ótica e cabo coaxial. O padrão de rede usado nos sistemas de TV a cabo, no qual o sinal segue em fibras ópticas do headend até os hubs e daí seguem por cabos coaxiais até a casa dos assinantes.
Home shopping - Serviço interativo que permite ao usuário fazer compras sem sair de casa, via cabo, telefone ou Internet.
Homes passed - Número total de domicílios cobertos por uma rede.
Hub - É um headend secundário. O hub recebe o sinal do cabeçal e o redistribui pelas linhas troncais e linhas alimentadoras.
Hz - Hertz. Unidade de medida de freqüência. Corresponde a um ciclo por segundo.
Interatividade - Transferência de informações pelo mesmo meio, bidirecionalmente e em tempo real. Possibilidade de o usuário interferir na informação transmitida.
Interconexão - Ligação física entre sistemas distintos para permitir o acesso dos assinantes de um sistema ao outro.
Interface - Forma pela qual dois sistemas interagem ou um sistema interage com o usuário. Dispositivo que permite esta interação.
IP (Internet Protocol) - O protocolo de comunicação de dados no qual se baseia a Internet. Nele, os dados, sejam de voz, vídeo, imagens ou texto, trafegam em pacotes, que são "montados" na ponta receptora para restaurar a informação original.
IRD (Integrated Receiver/Decoder) - Aparelho receptor e decodificador de sinais de satélite.
kbps - Kilobits por segundo. Medida de velocidade de transferência de dados. Equivale a mil bps.
LGT - Lei Geral de Telecomunicações. Lei de 1997 que criou a Anatel, possibilitou a privatização das teles e regulamentou os serviços de telecomunicações no Brasil.
Line-up - Grade de canais distribuidos por uma operadora.
May-carry - Possibilidade das operadoras de DTH de transportarem os canais abertos.
Mbps - Megabits por segundo. Medida de velocidade de transferência de dados. Equivale a um milhão de bps.
Microondas - Ondas que estão em faixas de freqüências muito altas, acima de 1 GHz.
Minicom - Ministério das Comunicações.
MMDS (Multipoint Multichannel Distribution System) - Sistema de distribuição de canais de TV por microondas terrestres. Uma das formas de TV por assinatura.
Modem - Abreviação de modulador/demodulador. Dispositivo que converte informações enviadas pelo computador em sinais elétricos, que são enviados pela linha telefônica. Estes são recebidos por um dispositivo equivalente que irá convertê-los de volta em dados.
MSO (Multiple System Operator) - Empresa que possui ou opera mais de um sistema de TV a cabo. Também chamada de multioperadora.
Multiplexador - Aparelho que combina diversos sinais de entrada em um único sinal de saída.
Must-carry - Dispositivo legal que obriga as operadoras de TV por assinatura norte-americanas a transportarem os canais abertos (broadcast).
Narrowband - ver Banda Estreita.
NCTA (National Cable Television Association) - Associação norte-americana de operadoras, programadoras, distribuidores e fabricantes de equipamentos para TV a cabo.
Off-set - Tipo de antena para recepção de sinais de satélite com foco deslocado do centro do refletor. As antenas de DTH de banda Ku são deste tipo.
Operadora - Empresa que distribui sinais de televisão por assinatura, seja por cabo, MMDS ou satélite.
Outorga - Ato de concessão ou autorização de um serviço.
Overbuilding - Construção de uma rede sobre outra já existente.
Overbuilds - Sistemas de TV a cabo ou outro serviço de telecomunicações que competem por uma mesma área geográfica.
Pacote básico - Grupo de canais oferecidos pela operadora de TV por assinatura mediante pagamento de taxa básica. Pode conter os canais abertos e alguns exclusivos aos assinantes.
Pacote premium - Grupos de canais extras que o assinante pode assinar mediante pagamento de taxas adicionais.
Pay-per-view - Serviço de TV por assinatura em que o assinante paga apenas ao que quiser assistir (filmes, shows, cursos), quando desejar, dentro da oferta existente. Nesse caso o sinal precisa ser endereçado.
Penetração - Porcentagem de assinantes de TV a cabo sobre o número de aparelhos de TV existentes em uma determinada área.
Pirataria - Instalação de um sistema de TV a cabo ou de pontos extras sem o conhecimento da operadora.
Ponto - Local da casa do assinante em que é possível receber os canais por assinatura.
Ponto extra - Pontos de recepção do assinante além do ponto inicial no qual é feita a primeira instalação de um sistema de TV paga.
Ponto principal - Local da conexão do primeiro conversor/decodificador do assinante.
Programadora - Empresa que oferece conteúdo (canais) para a TV por assinatura.
Receptor de satélites - Aparelho que recebe os sinais do LNB e os converte para um dos canais de TV.
Receptor óptico - Equipamento opto-eletrônico que recebe o sinal óptico e o converte para um sinal elétrico equivalente.
RF - Radiofreqüência.
Ruído - Distúrbios não desejados introduzidos em um sinal que tendem a mascarar a informação contida.
SAP (Second Audio Program) - Programação independente de áudio que vem em uma outra subportadora, mas que também está sincronizada com a imagem. É acessada por uma tecla no televisor. Normalmente traz o áudio original de uma programação.
Scrambler - ver Codificador.
Scrambling - ver Codificação.
SCTE (Society of Cable Television) - Organização técnica que reúne os engenheiros da indústria de TV a cabo nos EUA.
SETA - Sindicato das Empresas de TV por Assinatura.
Share - Porcentagem de assinantes sintonizados em um determinado programa ou categoria de programação.
Trap - Tipo de filtro instalado na casa do assinante que bloqueia determinados canais.
TVRO (TV Receive-Only) - Recepção direta de sinais abertos do satélite pelo público. Hoje é sinônimo de antena parabólica.
Two-way - ver Bidirecional.
Uplink - Subida do sinal para o satélite.
Uplink center - Centro de transmissão de sinais para os satélites de DTH.
Upload - Transferência de um arquivo de um computador local para um computador remoto.
Upstream - Em um sistema two-way, é o sinal que vai da casa do assinante ao headend.
Video-on-demand - Serviço interativo em que o assinante escolhe o filme que deseja assistir e a que hora, permite ao assinante pausar, voltar ou correr o filme como quiser.
VOD - ver Video-on-Demand.
Wireless cable - O mesmo que MMDS.
publicado por sattotal às 19:57 | link do post
tags:
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
comentários recentes
MUSA, DIVA, SEREIA LINDA E DELICIOSA QUE AMAREI ET...
Sereia linda e deliciosa Ana Hickmann, te amo
Deusa linda que amo demais Ana Hickmann
Te amarei enternamente Ana Hickmann
Diva, musa, sereia linda Ana Hickmann, te amo dema...
Está fixe :-)
Faltou indicar os créditos desse artigo. A fonte o...
Excelente artigo, gostei da abordagem. Visite o me...
Em que decodificador?
Porque está emissora só tem programa de merda não ...
Posts mais comentados
subscrever feeds
SAPO Blogs